domingo, 16 de abril de 2017

REVISTA. El Jueves faz irreverência com imagem do Cristo

Se tudo na vida tem um preço, todos devem obediência a essa regra do mundo dos negócios. A partir dessa concepção, o número desta semana da revista de humor espanhola, El Jueves, reivindica o pagamento de ''royalties' pelas igrejas cristãs pelo uso da imagem de Jesus Cristo. A publicação é uma similar da francesa Charlie Hebdo e produz sempre artigos considerados polêmicos abordando áreas que vão da política à religião. 

Esta semana, ElJueves traz capa com políticos sendo crucificados e o titulo "não há cruz para tão ladrão (cai como uma luva para a realidaade política do Brasil) e, na matéria principal, publica imagem de um Super Jesus, de físico vitaminado à la Maciste - antigo personagem dos filmes épicos italianos - usando da força para desvencilhar-se da cruz. Além da imagem contrária ao que se tem da imagem serena do Cristo, o texto advoga a questão dos direitos de uso da imagem do filho de Deus. 

O QUE DIZ A REVISTA 

"O sucesso destas procissões da Semana Santa poderia ter um final amargo para a Igreja Católica, se Jesus Cristo decidisse denunciá-la para o uso de sua imagem sem pagar direitos autorais. A organização religiosa popular carrega há dois milênios de apropriação indevida a imagem do Filho de Deus para o lucro, uma prática ilegal que pode ter que pagar milhões de euros.De acordo com os advogados de Jesus, todos os benefícios do uso de sua imagem são usados ​​para melhorar igrejas de pagamento e sacerdotes. Mas a cada ano atingir milhões de novas almas para o Céu e a necessidade de expandir o espaço e serviços.Sindicatos celestes se queixam de que São Pedro leva 500 anos gerenciando o acesso para o céu, sem tomar um dia de férias. Além disso, a oficina não tem guarda de segurança e temem que isso possa converter uma multa se um dia tiver uma fiscalização do Ministério do Trabalho."Este é um negócio sério", disse o próprio Jesus Cristo. "Se você não quer pagar para usar a imagem do Messias que recorra a hippies como Buda, que é licenciado pela Creative Commons".Além disso, os advogados afirmam que é um escândalo Jesus Cristo ser mostrado constantemente semi-nu em todos os tipos de atos, violando assim o seu direito à privacidade".
E a revista vai mais longe, usando evidentemente a liberdade de expressão, ao registrar o tipo de reação teria o Papa Francisco: 
O Papa Francisco disse que, por enquanto, a Igreja está considerando banir a representação da figura do Messias para não ter de pagar por seus direitos. "É uma prática comum em outras religiões como o islamismo. Seus seguidores levam-na um pouco mais a sério do que a nossa ", disse o papa.

Nenhum comentário: